Genoma resistente ao cancro (rato toupeira)

O título relata pura realidade observada numa investigação da Universidade de Liverpool levada a cabo por uma equipa de cientistas liderada pelo investigador português João Pedro Magalhães.
Este estudo foi realizado num animal chamado rato-toupeira-pelado (Heterocephalus glaber), o qual é um animal proveniente da África Oriental, vivendo em regiões desérticas.

Este rato toupeira é um ser vivo que apresenta condições morfológicas muito interessantes, ao mesmo que bizarras para um mamífero, visto que é considerado um dos poucos mamíferos terrestres que não tem pelo, além de que é um animal que não sente dor e consegue viver em localizações subterrâneas com um alto défice de oxigenação, graças ao seu baixo metabolismo
Sendo um roedor, este consegue viver 10 vezes mais que todos os restantes roedores comuns.
A sua probabilidade de apanhar doenças é muito, mas mesmo muito baixa sendo considerado um animal que se apresenta imune ao cancro.
Esta afirmação surgiu logo que nenhuma experiência conseguiu que se desenvolvessem células tumorais neste rato.

Voltando ao estudo, ao que parece o dito genoma deste rato-toupeira está já sequenciado permitindo assim aos cientistas, estudar e compreender as suas mais valias.

"O rato-toupeira-pelado fascina os cientistas há muitos anos. Mas foi apenas há alguns anos que descobrimos que podia viver tanto tempo. Não é muito maior do que um ratinho, que vivem normalmente até quatro anos, e no entanto este roedor subterrâneo vive de boa saúde durante três décadas. É um exemplo interessante de tudo aquilo que ainda temos de aprender acerca dos mecanismos de envelhecimento" João Pedro de Magalhães

0 comentários